segunda-feira, 7 de agosto de 2006

O verdadeiro atleta nacional

Francis Obiorah Obikwelu já está qualificado para as meias-finais dos 100 metros, no Europeu de Atletismo que se realiza, por estes dias, em Gotemburgo.

Mais um feito para o desporto nacional; um feito que se espera possa ir muito mais além, já que Obikwelu é o actual campeão europeu dos 100 metros e tem todas as condições para revalidar este título.

Mas, quem é aquele em quem depositamos (os Portugueses em geral) tantas esperanças?


O atleta nasceu a 22 de Novembro de 1978 na Nigéria, repito na Nigéria, e naturalizou-se Português em 2001. Volto a frisar: nasceu na Nigéria e naturalizou-se Português, da mesma maneira que se podia ter lembrado de naturalizar Russo ou Etíope. Ou seja, não é um verdadeiro produto nacional.

Se calhar decidiu-se por Portugal por gostar do Sporting, clube que representa. Tivemos sorte, já que não simpatizou com outros clubes de outros países, porventura bem mais apetecíveis.

Mas a vida profissional do fenómeno do atletismo nacional tem mais que se lhe diga; a treinadora do Francisco (não nos esqueçamos que o rapaz naturalizou-se Português) chama-se Maria José Martínez e é espanholita de gema. Será que o Francisco, ou o Sporting, não encontraram nenhum treinador nacional à altura do desafio?

Não sei se a situação ainda se mantém e se os treinos se continuam a realizar fora de Portugal, mas, indo um pouco mais longe no meu ponto de vista, também não entendo porque razão o Francisco teve que ir viver para Espanha para se preparar para os Jogos Olímpicos de 2004, onde teve uma actuação brilhante em defesa das cores nacionais. Será que o nosso belo país, ou o clube que representa, não tem condições para que o atleta possa treinar convenientemente?

Apesar de toda esta prosa, ó Francisco, os meus sinceros votos de boa sorte para a prova que se avizinha.

1 comentário:

Tango disse...

Parece realmente impossivel que o Pais de Carlos Lopes, Rosa Mota, Fernando Mamede, Aurora Cunha, Carlos Calado e outros precise agora que o "Francisco" faça subir a nossa bandeira.

Eu tenho uma teoria sobre isto e que é a seguinte:

Os clubes portugueses que recebem alguns subsidios e isenções com o objectivo de incentivar a prática desportiva, com a criação das Sad,s gastam todas as verbas que tem e não tem na aquisição de jogadores de futebol e nas diversas comissões pagas a agentes, empresários e dirigentes.

Assim cada vez mais desinvestem nas modalidades amadoras chegando mesmo a acabar com a maior parte delas perante a passividade dos diversos governos.

Assim não admira que Portugal tenha perdido importancia nos palcos desportivos internacionais.Veja-se a vergonha que foi a participação no ultimo Europeu de Hoquei em Patins.

Sinto-me desgostoso com esta "globalização" futebolistica e que vai impedir a breve prazo todo o tipo de práticas desportivas alternativas.

Tango